)Sarau(

A raposa / poesia inglesa do século 20

Ted Hughes

Imagino a floresta desta meia-noite;
Alguma coisa a mais está viva
Além da solidão do relógio
E da página branca por onde passam meus dedos.

Pela janela não vejo nenhuma estrela;
Algo mais próximo,
Embora mais profundamente mergulhado na penumbra,
Penetra a solidão:

Frio, delicadamente como a neve escura,
Um nariz de raposa toca em folhas, gravetos,
Dois olhos criam movimentos que agora
E agora novamente e agora e agora

Imprimem contra a neve marcas nítidas
entre as árvores e, prudentemente, uma imperfeita
Sombra se arrasta pelo tronco e no vazio
De um corpo decidido a chegar.

Debastando tudo, um olho,
Verdor que se alarga e se aprofunda
Brilhante e concentradamente
Bordejando o assunto que o ocupa,

Com um cheiro súbito, agudo e quente de raposa
Adentra a escuridão vazia da cabeça.
A janela continua sem estrelas; o relógio trabalha.
A página está impressa.


Tradução de Jorge Wanderley


Referência bibliográfica:

HUGHES, Ted. A raposa. In: WANDERLEY, Jorge. 22 ingleses modernos: uma antologia poética. Organização, tradução e notas de Jorge Wanderley. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1993. pp. 157-158.
 

  • 01 Part 1

  • 02 Part 2

  • 03 Part 3

03/08/2009