)Sarau(

Árvore genealógica / poesia contemporânea brasileira

Renato Alessandro dos Santos

 

 

 

 

 

 

ela queria ser uma árvore

dar sombra às pessoas

deixar seus galhos

braços partidos

na lareira

 

servir de alvo ao raio

que lhe tiraria a vida

mas não o sol e o que restaria ainda

 

nela os passarinhos viriam fazer sininhos

 

quem sabe um dia um morador de rua

construiria a tão sonhada casa em suas costas

com escada e tudo

tu

do ::

 

dor

va

le

e

 

um

 

ter a sorte de um casal

no seu peito              tatuar dois nomes

contornados por um trespassado

coração        enquanto segredos

aos ouvidos seriam divididos

debaixo dos caracóis

 

frutos à revelia

pra toda espécie de gente e bicho

 

haveria de ter por séculos o ao redor ir mudando

mudando ::

casas virando prédios

crianças                   velhos

civilizações               escombros

o ar cada vez mais gordurento e impuro

 

pássaros de passagem

nos seus ombros

descansariam

quando seria um trampolim

ou a estação em transição

entre a partida                    

a chegada

e o tudo pelo caminho

 

não restaria uma única lembrança

no bêbado do carro desgovernado que

v         o          a          n          d          o

destroçaria sua cabeça no rosto dela ::

só um tanto de cabelo e sangue

que a chuva em seguida levaria

levaria pra bem

                                             longe

pra bem longe da

imaginação

lavando a rua e a memória

de dias e dias de recordação

 

>>> ilustração de rodrigo caldas <<<

 

RENATO ALESSANDRO DOS SANTOS nasceu em Araraquara, em 1972. É professor de literatura, doutor em Estudos literários (UNESP, Araraquara, SP), editor, colunista e colecionador de discos de vinil. É autor de Mercado de pulgas: uma tertúlia na internet (Multifoco, 2011), da dissertação A revolução das mochilas: de On the road à lenda de Duluoz âۥ a literatura beat de Jack Kerouac (2002), da tese Romances rebeldes — a tradição de rebeldia na literatura norte-americana: de Moby Dick a On the Road (2015), dentre outras obras. É editor do Tertúlia (tertuliaonline.com.br), colunista do siteDigestivo Cultural e fundou em 2018 a Engenho e Arte, casa editorial onde publicou Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia. Está prestes a lançar O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia, agora, em maio de 2019. Contato: realess72@gmail.com Facebook: Renato dos Santos Santos

+++

 

RODRIGO CALDAS nasceu em Belém do Pará, mas reside em São Paulo. Analista de sistemas, baterista da banda paulistana Bazar Pamplona e estudioso de desenhos, pinturas e arte sequencial.  Fanático por filmes de terror, action figures e histórias em quadrinhos.  Adora dançar “Cheek to Cheek” com a esposa e passear com Bruce, seu bat-cão. Atualmente está trabalhando no seu projeto autoral de história em quadrinhos. Instagram: Rodrigo Caldas. Facebook: Rodrigo Caldas.

  • 11 - Fake Plastic Tree

23/06/2019