)Sarau(

Encosta sua literatura na minha / poesia contemporânea brasileira; Priscila Machado

Priscila Machado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avoante

 

Quero verbalizar a dor imensurável de ter perdido você, 

Mas não dá. 

Então me afasto, fico puto, sou ríspido contigo, 

Essas coisas de coração partido. 

Em pensamento, estou velando seu sono. 

Abençoando seu caminho, mesmo diferindo do meu. 

Portanto, libertarei suas asas, 

Porque você é a coisa mais linda da vida 

E precisa ir. 

Porque você canta desafinado e doce 

Feito uma pombinha assustada. 

Porque se aninhava em meu peito como se eu pudesse protegê-la de qualquer coisa. 

Não posso. 

O mundo te quebrará em pedaços, pequena, 

Como fez comigo. 

Esse poema é testemunho da partida. 

Quem sabe um dia você pousa na minha janela.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tododia

 

Na estrada,

A caminho do trabalho,

Existe um moinho

Um trilho de trem

E um rio.

Se isso não for meio mágico,

eu não sei mais o que é.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quebranto

 

Estão tentando matar 

Aquilo de mais bonito em mim. 

Contudo,

Sairei um dia, 

Batom vermelho, 

Pra dançar o fim do mundo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Território desconhecido

 

Às vezes me pego querendo

Que seu amor seja feito o meu,

Mas amo dentro de um corpo feminino

Produzido em 1986.

Nós nunca estaremos do mesmo lado da ponte.

Resta enviar cartas, um ao outro,

- Como está o tempo aí?

Para tentar descrever o indescritível.

Você mora num corpo masculino de 1983,

Território desconhecido.

Gostaria imensamente que minhas mensagens chegassem,

Seja lá qual for o endereço do seu coração.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Êxtase

 

Todos desejos que tive,

Sonhos obscenos,

Todas as malícias,

Meu sangue quente por dentro

Criando universos inteiros

Com a ponta dos dedos.

Todos meus beijos, saliva, suor,

Meu feminino engolindo seu ser e lhe devolvendo mais adiante

Na eternidade.

Cada roçar de peles

Na combustão espontânea do meu coração no seu:

Foi verso.

Porque sou movida a palavra, meu amor.

Por isso,

Encosta sua literatura na minha

Antes das suas mãos tocarem meu corpo.

As letras serão cama dos meus quereres mais profundos

Pois delas são minha carne poética e animalesca.

Toca meus signos, pacientemente,

Que de beleza enfeitarei seu corpo.

E nosso princípio será Verbo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

+++

   Ilustrações de helton souto    &    rodrigo caldas   

+++

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PRISCILA MACHADO é poeta, pedagoga e edita seus poemas no blog www.meninaeomundo.blogspot.com. No Facebook: Priscila Machado.

+++

 

 

 

 

 

RODRIGO CALDAS nasceu em Belém do Pará, mas reside em São Paulo. Analista de sistemas, baterista da banda paulistana Bazar Pamplona e estudioso de desenhos, pinturas e arte sequencial.  Fanático por filmes de terror, action figures e histórias em quadrinhos.  Adora dançar “Cheek to Cheek” com a esposa e passear com Bruce, seu bat-cão. Atualmente está trabalhando no seu projeto autoral de história em quadrinhos. Instagram: Rodrigo Caldas. Facebook: Rodrigo Caldas.

+++

 

 

 

 

 

HELTON SOUTO nasceu em 76. Ribeirão Preto. Casado com Silvana. Cientista social, educador, gerente de projetos na área de educação e juventude, artista plástico e ilustrador. Desenha e pinta desde sempre. Torce para o São Paulo. E seu cachorro se chama Yoda. Blog: Andar na pedra. Contato (Facebook): Helton Souto.

24/12/2017