)Sarau(

corpos que tombam / poesia; poesia brasileira contemporânea;

Paulo Andrade

Sem-abrigo

“eu caminho sem calcular onde possa dar, o meu destino é andar, cumpro o meu como vocês os seus”

(A Fúria do Corpo, João Gilberto Noll)

I

 

O vento corta a madrugada

como navalha ao olho

(un chien andalou).

 

A cachaça acorda

a serpente em bote

nas trevas do ventre

 

farto dos artifícios da urbe

(se reluz à noite é

pedra ou ponta de faca)

 

tropeça a fruta podre

nem sente o peso

do corpo piloto

automático que tomba

 

Qual vazio seu olhar

desfocado

afaimado

absorto

sôfrego

procura

no adro do hades?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem-abrigo

II

 

A cada tragada

da pedra

sente-se

eterno

entretanto

nem existe mais

 

aquele corpo

carcomido

chagado

chapado

disforme

funciona

(mal) para

alimentar

a fera voraz

que o devora

 

por quinze minutos

acende-se o clarão

ascende às

culminâncias

da iluminação.

 

e volta a tombar

no inferno o

acorrentado

prometeu 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

+++

    I l u s t r a ç õ e s       de        h e l t o n      s o u t o                                   

+++

PAULO ANDRADE é autor do livro Corpo arquivo, Paulo Andrade nasceu em Boa Nova (Ba), município incrustado entre a caatinga e a mata, onde passava seus dias lendo, tocando e ouvindo música. Aos 21 anos, foi fazer Letras na Universidade Federal de Viçosa (MG). Lá começou a trabalhar como repórter/redator de jornal. Em 1996, mudou-se para Araraquara-SP, onde fez mestrado e doutorado em Estudos Literários na UNESP. Durante muitos anos integrou, como saxofonista e flautista, a banda lítero-musical Mestres Cantores. Foi professor de Teoria da Literatura na Unesp/Assis, entre 2010 e 2014, cargo que continua ocupando na Unesp/Araraquara, para onde foi transferido. É autor de Torquato Neto: uma poética de estilhaços, (Annablume/Fapesp) e de vários ensaios sobre poesia contemporânea em livros e revistas. É casado com Maria Lúcia e pai da Marina e da Júlia.

+++

HELTON SOUTO nasceu em 76. Ribeirão Preto. Casado com Silvana. Cientista social, educador, gerente de projetos na área de educação e juventude, artista plástico e ilustrador. Desenha e pinta desde sempre. Torce para o São Paulo. E seu cachorro se chama Yoda. Blog: Andar na pedra. Contato (Facebook): Helton Souto.

  • 10 Cause

18/12/2016