)Sarau(

e o acaso tece rendas e asas no convés / "tudo é diferente"; "pingo do dia"; "lei da gr-avidez poética"; poemas de Marcelo Henrique Marques de Souza

Marcelo Henrique Marques de Souza

 

 

 

 

 

tudo é diferente

 

tudo é diferente
tudo é diferente
tudo é diferente
tudo é diferente
mesmo que algo ou tudo
de repente
se repete
aparentemente
tudo é diferente
tudo é diferente
tudo é diferente
mesmo e para além do fato
de que algo ou tudo
de repente
parece
aderente
tudo é diferente
tudo é diferente
tudo é diferente
ainda que o tempo
pareça
de repente
passado futuro ou presente
tudo é diferente
tudo é diferente
tudo é diferente
mesmo que algo ou tudo
pareça
de repente
primo irmão tio
ou outro tipo de par-ente
tudo é diferente
tudo é diferente
tudo é ambiente
ainda que o seu nome
pareça seu meu dele
ou de mais gente
tudo é diferente
tudo é ambi-ente
tudo teatro da mente
nascer e poente
doutor e paciente
ainda que de raspão
e de repente
tudo pareça
formado enquadrado
ou enredoente

 

 

 

pingo do dia

 

ant
agônico pulso
cor
ação errante

por entre imagens
que passam
por dentro
e por fora
do trem

trilho
atalho falho
estrada
de céu grisalho

e o acaso tece
rendas e asas
no convés

e pinta de mansa noite
os segredos em brisa
que rede balançam
no quintal sem mapa
do poema

 

 

lei da gr-avidez poética

 

gr[ave
e] ávido

de gravidades

e de tudo o que
agrave

o que ave
ainda não é,

o poema emp[r]enha-se
fome adentro

 

<>_<>

Ilustrações de STÊNIO SANTOS, HELTON SOUTO & THAÍS ALBERTI

<>_<>

 

MARCELO HENRIQUE MARQUES DE SOUZA nasceu em 1975 no Rio de Janeiro. É graduado em Comunicação Social e faz mestrado em Comunicação e Psicanálise. Já foi professor de um monte de disciplinas da área das chamadas "ciências humanas" (tremendo pleonasmo, mas tudo bem) e trabalha há cerca de quinze anos com revisão literária e de artigos científicos de todas as áreas das "humanidades". Possui 8 livros publicados: 2 de poemas ("a quânticas andam as formas" e "anonimato heterônimo"); 2 de contos ("acidentes" e "Vestígios" - vencedor do Prêmio UFES 2013 da categoria); 2 ensaios ("O poeta, o canibal e o espelho" - vencedor do prêmio da Academia Carioca de Letras no ano de 2012) e "Justiça, Simulacro e o Exílio da Argumentação" - premiado no concurso "Contos Bandidos", da editora Rio em parceria com a Academia Brasileira de Letras, no ano de 2006), um de artigos científicos ("Apropriações Indébitas") e um de aforismos ("Entre aspas, mas com lógica"). É poeta, contista, pesquisador e autor do blog "Im-postura.blogspot.com".

<>_<>

 

STÊNIO SANTOS nasceu em São Joaquim da Barra, interior de São Paulo. Desenha desde que se conhece por gente. Ainda não é formado em Design, mas pretende ganhar a vida com isso. Gosta de quadrinhos (principalmente os escritos pelos autores Alan Moore e Neil Gaiman) e mangás, de filmes e de literatura. Facebook: Stênio Santos.

 

 

 

 

<>_<>

 

 

 

HELTON SOUTO nasceu em 76. Ribeirão Preto. Casado com Silvana. Cientista social, educador, gerente de projetos na área de educação e juventude, artista plástico e ilustrador. Desenha e pinta desde sempre. Torce para o São Paulo. E seu cachorro se chama Yoda. Blog: Andar na pedra. Contato (Facebook): Helton Souto.

 

 

 

<>_<>

 

 

 

 

THAÍS ALBERTI nasceu em 1994, em Ribeirão Preto. A filha perdida do Neil Gaiman. Estudante de Letras por ter encontrado Oscar Wilde na adolescência; faz uns rabiscos, que chama de ilustração, nas horas vagas. Mais perdida na estrada do que Kerouac.

 

  • 01 Part 1

  • 02 Part 2

  • 03 Part 3

30/11/2014