)Contos(

O infinito /

André Carretoni

Antônio atravessou a Rua Nossa Senhora de Copacabana e parou diante de Maria Pilar.

— Eu te amo.

Maria Pilar deu dois passos para trás e sorriu, e sei que foi por ter sentido certo nervosismo.

Não podia ser. Ela não poderia deixar que aquilo acontecesse. Era uma mulher independente e não poderia permitir que agitassem o mar tranquilo de sua existência. Olhou para trás e correu até a esquina, entrando no primeiro táxi que conseguiu.

— Para onde, senhora?

— Para longe daqui.

O taxista dirigiu quase durante meia-hora e parou quando ela disse para parar. Ela pagou-lhe a corrida, saiu do táxi e partiu, e o motorista ficou ali, a observar as costas de seu vestido. Ele questionou-se sobre o que poderia ter-lhe acontecido, mas logo voltou a olhar para frente e começou a pensar de novo no próximo cliente. Trabalhava na praça havia mais de vinte anos e já vira de tudo, inclusive punks como aquele, a pedir para que o levassem até o aeroporto, dizendo que estava com pressa. Todos estavam com pressa. O punk pagou o novo valor marcado no taxímetro, saiu do carro e foi para o portão de embarque, para a fila da companhia aérea com a qual iria viajar. Ele deu o seu passaporte para uma funcionária, que olhou para sua foto, olhou para a cara dele, folheou algumas páginas do documento e perguntou à sua colega se o seu chefe já havia chegado. Sua colega disse que sim, que ele estava falando com o comandante do avião, para quem ele estava pedindo um favor: levar um urso de pelúcia para uma sobrinha que morava na cidade para onde aquele voo estava indo.

O capitão sorriu, pegou o embrulho e entrou no aparelho, sentando-se ao lado do copiloto, um jovem que fora tratado com todo amor e carinho por sua mãe, a empregada mais antiga daquela padaria alemã. E como ela amava aquela profissão. Ela lançou a bola de farinha sobre a mesa, e a violência do ato lançou farinha para todos os lados, assustando o gato, que saiu da cozinha pela porta traseira. Susto maior, todavia, ficou para o galo, que, vendo o felino aparecer no quintal, bateu as asas e pousou em cima do poleiro. A porta do poleiro caiu, o pato bateu as asas, um cão não muito longe ladrou, e o carteiro mais idoso daquela cidade temeu por sua segurança e resolveu entregar primeiro as cartas da casa seguinte, cujo proprietário era seu amigo de infância. Ainda devia-lhe uma cerveja por causa da última aposta que haviam feito e tinha certeza de que iria recuperar a sua perda no próximo jogo, pois, afinal, não era à toa que sua equipe havia pagado tanto para ter Arnold, o zagueiro de mais de dois metros de altura, capaz de dar medo aos adversários apenas com sua presença. Diziam que ele era o diabo, diziam que sua estatura era tão grande quanto aquela de uma turbina eólica, mas ele não respondia mal às pessoas por causa disso.

Apesar de as turbinas estarem criando tantas controvérsias naquele país, a grande parte daquela população era a favor das energias renováveis. Apenas precisavam tomar algumas precauções, pensavam, já que todos sabiam que aqueles modernos engenhos eram perigosos para os pássaros, inclusive para o Gypaète Barbu, símbolo daquela gente e daquela nação, que tão heroicamente fora criada por Fritz Heins, pai de cinco filhos, avô de vinte netos e bisavô de trinta bisnetos. E não era verdade que preferira o seu filho mais velho aos outros, e sua esposa sempre soubera disso. Fritz amara todos os seus filhos com a mesma intensidade, mesmo quando comprava munições especiais para o seu primogênito no depósito do tio Manfred, cujo longínquo descendente estava agora doente, internado no hospital Friedrichshain Landsberger, tratado pela enfermeira Ana Rodrigues Von Kurows, brasileira, filha de um emigrante alemão. Seus pais haviam partido para o Brasil no meio do século 20 e de lá nunca mais haviam voltado; e o casal havia ficado triste com a partida de sua caçula para a Europa, mas havia também ficado orgulhoso por ela ter desejado conhecer a terra de seus antepassados. E, agora, como forma de pedir-lhe proteção aos céus, o casal estava mensalmente dando comida e roupas para a paróquia do seu bairro. Não era muita coisa, mas aquele pouco já fazia a alegria de muitos, de Helena da Cruz, mãe de três filhos, prima do José Gregório, o porteiro do prédio Santo Cristo, no qual Antônio morava.

— Olá, seu Antônio. — disse José Gregório, abrindo-lhe a grade da portaria. — O senhor tem uma visita.

<>_<>

Ilustrações de HELTON SOUTO

<>_<>

Nascido no Rio de Janeiro em 1971, ANDRÉ CARRETONI cedo se apaixona pelas artes. Autodidata, aprende música, desenha, segue cursos de teatro, frequenta um curso de cinema, até que escolhe a literatura como meio de expressão. Encontrando afinidades com certos autores expatriados, aos 27 anos decide dar uma reviravolta em sua vida e parte para a Europa, à procura de novas experiências. Vive seis anos em Lisboa, mas sente necessidade de ir além. Faz o Caminho de Santiago de Compostela e se inscreve em um curso de pintura em Florença, onde escreve seu primeiro romance, Piedade Moderna, e conhece aquela que se tornará sua esposa. Sua vida de escritor acabava de começar. Vive dois anos na Suíça, aprimorando seu estilo de escritura. Escreve Mais Alto que o Fundo do Mar, cria sua página na internet (carretoni.com), escreve crônicas para o sítio francês Bonjour Brasil, participa do sítio brasileiro Tertúlia e frequenta o laboratório de escritura criativa do Instituto Camões. Depois de quatro anos em Paris, no encalce da Lost Generation, instala-se em Nice e encontra uma nova fonte de inspiração.

HELTON SOUTO nasceu em 76. Ribeirão Preto. Casado. Desenha e pinta desde sempre. Graduou-se em Ciências Sociais. Foi arte-educador. Foi professor de História. Trabalha em ONG, com educação e juventude. E não parou de desenhar e pintar. Blog: Andar na pedra. Contato (Facebook): Helton Souto.

  • 002-the_weepies-orbiting

06/04/2014