)Futebol(

Espanha 82 / Itália 3 x 2 Brasil;

André Carretoni

Eu tinha onze anos quando a minha infância acabou. Chorei muito. A camisa do Zico rasgada, as caras do Waldir Peres e os gols do Paolo Rossi. Lembro-me de ter feito figa pro Leão na Copa de 78, junto de minha família na casa de meus avós, mas foi apenas em 82 que realmente caí, que torci e perdi, que acreditei que o futebol era capaz de elevar um povo ao Olimpo, mas que despenquei como Ícaro, ao lado de uma das melhores seleções de futebol que o mundo tem conhecido.

Penso que, quando comemorei o nosso tetracampeonato, o que comemorei mesmo foi a Copa da Espanha, como se eu tivesse ficado engasgado durante toda a Idade das Trevas, Era Maradona, e pudesse enfim tocar o Sol.

Novembro de 2011, eu estava saindo do elevador do meu antigo trabalho, que ficava na saída oeste de Paris, quando um colega francês meu me perguntou:

- Você viu que o Sócrates morreu?

Eles não foram somente os nossos filósofos, foram os pensadores da humanidade, que deixaram toda uma nova escola de futebol para as gerações futuras.

Às vezes sou assaltado por uma nostalgia do Brasil, dos anos em que fui feliz na Terra de Pelés e dos amigos que deixei ao longo do caminho. Contudo, sabemos que não podemos voltar atrás, que seguimos um caminho, às vezes duro, que nos levou a ser pentacampeões, e, assim, posso apenas recordar e sorrir, como um orgulhoso soldado ao se lembrar de uma das mais sangrentas batalhas que perdeu numa guerra que tem vencido.

Aos nossos heróis que viveram pela Pátria.

<>_<>

Ilustração de Helton Souto.

<>_<>

André Carretoni nasceu no Rio de Janeiro, em 11 de Janeiro de 1971; formou-se em informática e, em 1998, partiu para a Europa, em direção ao desconhecido. Escritor expatriado, consciente do longo caminho que tem pela frente, segue em busca de sua verdadeira humanidade. É autor dos romances Piedade moderna (2005), Mais alto que o fundo do mar (2008) e outros. Escreve em carretoni.com e é colaborador de Tertúlia.

<>_<>

Helton Souto nasceu em 76. Ribeirão Preto. Casado. Desenha e pinta desde sempre. Graduou-se em Ciências Sociais. Foi arte-educador. Foi professor de História. Trabalha em ONG, com educação e juventude. E não parou de desenhar e pintar. Blog: Andar na pedra; Flickr; Facebook.

 

 

  • 264_junior_-_voa_canarinho.play

05/07/2012