)Blog(

E vivemos felizes até o dia seguinte... /

Andreza Caetano

Claro! Importante mesmo é ser feliz sempre! Tenho o hábito de dar valor às pequenas coisas da vida e tenho plena convicção de que sempre posso escolher entre ficar triste ou sorrir. E... vejam bem... sempre opto pela segunda alternativa. Acordo às seis da manhã, preparo o café das crianças, deixo-as na escola, saio para o trabalho, volto na hora do almoço. Saio outra vez para o trabalho e volto às seis e meia, depois de ter passado na casa da mãe para recolher as crias. Descubro uma pilha de roupas pedindo para ser lavada. As louças do almoço ainda me esperam! Digo à criança número um que vá tomar seu banho e ajude a criança número dois na mesma tarefa, enquanto varro a casa e recoloco as coisas nos seus devidos lugares. Depois vem o jantar... e, de novo, digo ao meu filho mais velho, de 10 anos, que vá escovar os dentes e ajude o mais novo, de 5 anos. Dou um beijo de boa noite em cada um e... volto a arrumar a cozinha, sabendo que o dia seguinte será igual. Enfim, posso tomar um banho e tentar relaxar um pouco.

Paro diante da porta da sala, observando-o tão tranquilo com os pés sobre a mesa de centro, vidrado no jogo que passa na televisão. Penso com carinho na capacidade que os homens têm de abstrair-se de todos os detalhes do cotidiano diante da TV e confesso que chego a invejá-los. Ele me olha rapidamente e com um gesto sinaliza para que eu lhe faça companhia no sofá. Penso que não custa nada passar uns minutinhos ao lado dele e encosto a cabeça em seu ombro. Subitamente sinto um solavanco e percebo minha cabeça tremer. No mesmo instante escuto vários palavrões e a mãe do atacante sendo brutalmente ofendida! Olhando para a TV e sentada levemente flexionada com os cotovelos apoiados nos joelhos, dando a parecer que também estou concentrada, chego à conclusão de que se trata de uma catarse. Sim! A mais plena purificação masculina! O jogo acabou! Um a zero pra o time adversário! Então ele começa a falar:

- Maldito atacante. O cara ganha todo esse dinheiro e não consegue passar a maldita bola. O outro na cara do maldito gol e...

Nesse momento fixei meu olhar no profundo verde dos olhos dele, arqueei as sobrancelhas e comecei a pensar que no dia seguinte teria de conseguir um espaço no meu tempo para pagar o seguro do carro. Decidi que sairia meia hora mais cedo para o almoço e que talvez fosse melhor acordar meia hora antes e deixar o arroz pré-cozido. De repente me lembrei de que teria de entregar um projeto até o final da semana e ainda sequer havia começado a escrevê-lo. Não poderia passar de amanhã! Deixei para pensar nisso no dia seguinte e comecei a planejar o final de semana da família. Talvez pudéssemos ir ao clube... As crianças pediam por isso há quinze dias! Queria satisfazê-las. Ele também gostaria, enfim, poderia marcar uma pelada com os amigos. Talvez eu pudesse sugerir que convidasse o Daniel para o tal joguinho informal, um amigo dele... tão atraente, tão charmoso, tão... Foi aí que o sinal de alerta piscou dentro de mim, e voltei a prestar atenção no que ele dizia. Perguntei:

- Mas ainda há chances de que o time não seja rebaixado, não é verdade? Ainda temos dez partidas pela frente! (É importantíssimo saber ao menos o mínimo para mantê-lo orgulhoso de ter ao seu lado uma mulher que “entende” de futebol!)

- É, mas...

- Então não se torture tanto. O próximo jogo nós ganhamos (falei nos incluindo no time).

Ele sorriu e disse que ia para o banho. E vivemos felizes até o dia seguinte! 

Eu poderia acabar essa história aqui, mas quero compartilhar com vocês como viver feliz com a outra metade!

Primeiro: Paciência! Muita paciência! Segundo: Mais paciência! (Paciência se adquire com prática diária). E terceiro (e a parte mais simples): Mantenha seu olhar firme, mas delicado. Não se esqueça de manter também, as sobrancelhas arqueadas. Dá a impressão de que você está realmente interessada em tudo! Às vezes, diga um “é mesmo”, ora com tom de curiosidade, ora com tom afirmativo. E é claro, um “arrrã” não pode faltar! Mantenha-se controlada quando começar a pensar no amigo “simpático” dele. Não se deixe levar pela fantasia. E vou repetir o mais importante: Mantenha o movimento das sobrancelhas, às vezes levante-as mais enfaticamente e vá relaxando devagar. Passados alguns minutos, repita a operação! Isso não falha!

Nos dias em que ele estiver mais nervoso, agitado e tenso com os problemas do trabalho, aja de maneira parecida, mas procure acrescentar carinhosamente um “você está certo, é um absurdo”.
Afinal, o importante mesmo é manter um casamento feliz, a casa arrumada, a comida feita, os filhos bem cuidados, o marido satisfeito, o trabalho em dia com o chefe, as plantas regadas, a água do cachorro trocada, as unhas feitas, o cabelo escovado, as contas em dia...

<>_<>

Ilustração de Helton Souto

<>_<>


Andreza Caetano nasceu em Belo Horizonte em 1977. É autora de Entre o céu e o inferno (Multifoco), romance a ser lançado no dia 06 de outubro no Centro Cultural UFMG, em Belo Horizonte. Tem duas filhas, com as quais passa seu tempo livre. Gosta de boa música, literatura e artes plásticas. Viveu na Espanha durante quatro anos, local onde surgiram as idéias para seu livro. Ali iniciou o curso de Letras Clássicas, na Universidade de Barcelona. Decidida a voltar ao Brasil antes que concluísse o curso, hoje dá continuidade ao bacharelado de Grego Clássico na UFMG e, também, faz a licenciatura em Letras Português/Inglês no Centro Universitário Claretiano. Este texto foi escrito como um diálogo com o texto "E vivemos felizes para sempre...", de Beto Canales, publicado aqui, no Tertúlia, na semana passada.

<>_<>

Helton Souto nasceu em 76. Ribeirão Preto. Casado. Desenha e pinta desde sempre. Graduado em Ciências Sociais. Pesquisa em artes plásticas e assentamento rural. Estudou Bispo do Rosário. Participou de mostras coletivas e salões de arte. Foi arte-educador e ministrou curso de HQ, desenho e roteiro. Foi professor de História. Desde 2003, trabalha no Instituto Ayrton Senna na área de projetos de educação e juventude. E não parou de desenhar e pintar. Blog: Andar na pedra; Flickr; Facebook..
 

  • 227_01_efemera.play

02/10/2011