)Cinema(

1 filme flamejante / motoqueiro fantasma

Renato Alessandro dos Santos

Motoqueiro fantasma é para se ver mais de uma vez. Impossível não gostar do filme. Terminada a adolescência, histórias de super-herois já não chamam mais tanto a atenção. Uma pena, porque sempre deveria existir um gibi do Motoqueiro Fantasma sobre a mesinha da sala. Quem não conhece Johnny Blade, o herói que se transforma no esqueleto flamejante montado numa motocicleta importada diretamente do inferno, após ver o filme, será mais um a escrever as palavras “motoqueiro fantasma” no Google.

O filme é sobre redenção, mas uma redenção que não acontece. Ao menos por enquanto. É a velha história do sujeito que vende a alma ao diabo, que, chegada a hora, volta dos fundilhos da Terra para cobrar a dívida. O problema é que não é qualquer um que o carcará encontra pela frente, mas sim um Johnny Blade pegando fogo e que quer sua alma de volta. A redenção virá quando o herói consegui-la de volta, mas em vez disso ele prefere usá-la contra o próprio feiticeiro, o dito-cujo em pessoa, que, obrigado a fazer um pacto com o Motoqueiro Fantasma, terá de engoli-lo, crocante como o Zagalo. Sim, o feitiço vira contra o feiticeiro, e quem ganha com isso é o espectador, que fica torcendo para que Blade recupere sua alma definitivamente e consiga ficar com a mocinha, uma estonteante Eva Mendes de seios pegando fogo.

Muitos fãs de carteirinha torceram o nariz para o filme. Freud explica. O amor incondicional do fã àquilo que é exclusividade dele não deve parar nas mãos de tanta gente, que só vai ficar impressionada com as peripécias piromaníacas do Motoqueiro Fantasma. Para fãs desse tipo, quase sempre é uma heresia o que se comete nas adaptações cinematográficas que Hollywood põe a mão.

Fazer o quê?! Tocar um tango argentino? Eles, os fãs, estão certos. Se Valter Salles não pisar fundo em sua versão de On the road para os cinemas, muitos também vão ficar chateados. O que pouco significa, quando o que move o coração de Hollywood é menos o cinema de autoria que a $$$ arrecadada nas bilheterias.

Agora, um conselho: esqueça tudo isso!

O que importa é ver Motoqueiro Fantasma em DVD, esse filme flamejante.

22/06/2009