)Futebol(

Smells like teen spirit / meninos da Vila, Neymar, Robinho, Santos Futebol Clube

Renato Alessandro dos Santos

Êxtase. Terminado o jogo entre São Paulo e Santos, eu me senti como um inseto em um algodãozinho embebido em éter. Não recorri ao Google para confirmar se a frase faz sentido, mas me senti extasiado e feliz da vida, porque Robinho – como mestre Ronaldo – parece que chegou para encantar o torcedor. Êxtase. O gol de pênalti de Neymar deixou contente todo brasileiro que, sem ser torcedor do São Paulo, já teve seu domingo estragado por causa das peripécias do arqueiro são-paulino; hoje, após anos e anos de martírio, ver Rogério Ceni desabar de um lado, enquanto a bola passava lépida ao seu lado, fora de alcance, não tem preço. Sim, não tem preço. Ver Robinho voltar ao Santos, fazendo o gol da vitória, me lembrou Ronaldo mais uma vez, quando desencantou contra o Palmeiras, no ano passado, num clássico que, como hoje, em Barueri, poderia terminar um a um, não fosse um jogador a fim de desequilibrar a partida. Poderia ser Neymar; poderia ser Paulo Henrique Ganso, mas a estrela sobre o ombro de Robinho iluminou o talento desse fantasista que, num lance rápido, de letra, marcou o segundo gol santista. Vitória do Peixe. Iupi!

Êxtase, também, porque o universo está a conspirar a favor do time da Vila em 2010. Primeiro, foi a queda de Marcelo Teixeira que, a despeito dos times vitoriosos de 2002 e 2004, estava a jogar contra o próprio patrimônio, numa série de decisões equivocadas, cuja figura-chave foi um Luxemburgo com seu Armani debaixo do sol escaldante. Nada a ver com o trópico calor de rachar. A chegada de Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro à presidência santista representa sanguinho novo, o mesmo sanguinho novo que anda correndo na Vila Belmiro. A diretoria trouxe o araraquarense Dorival Júnior, e um sujeito que vem da Morada do Sol só podia fazer o sol brilhar por lá, espantando a chuva que, ultimamente, anda a estragar domingos, como hoje em Batatais, quando após o dilúvio a energia elétrica sumiu até o fim do primeiro tempo do jogo. Mas se a chuva estragou o primeiro tempo de todo torcedor santista de Batatais, simbolicamente, a vitória representa muito ao jovem elenco de jogadores. O que nos leva ao penúltimo motivo de orgulho do torcedor santista, mas que deve ser o primeiro, isto é, o próprio time, encabeçado pelos meninos da Vila. Sim, essa safra 2010 smells like teen spirit. As jogadas desconcertantes de Neymar, a leveza de Paulo Henrique Ganso, o conjunto fazendo vibrar a mesma nota, em uníssono, com moleques (André, Felipe, Wesley) e experientes (Edu Dracena, Marquinhos, Léo, Arouca, Durval, Giovanni). E agora, chega Robinho, a cereja.

Quando Robinho trocou o Santos pelo Real Madrid, coloquei minha camisa sete - com a marca Bombril estampada no estômago - no fundo da última gaveta do armário. Hoje, tive de pegá-la de volta. Ultimamente, a cabeça de Dorival Júnior deve oscilar entre esfuziante, num momento, e com dor de cabeça, em outro. Afinal, se o problema era saber onde encaixar Robinho entre a molecada, a questão aos poucos começa a ser respondida. Ainda falta muito para o atacante do Manchester City enfeixar-se como uma luva no time da Vila, como Adriano no Flamengo ou Ronaldo no Corinthians, mas vê-lo ajustar-se muito bem entre os garotos é, e será, um prazer. Mesmo que seja só por quatro ou seis meses, antes que a Copa do Mundo leve Robinho embora novamente.

Entretanto, o que mais arrebata o coração santista, não é só a volta de Robinho, e sim um time que, desde o início do Campeonato Paulista, vem encantando a torcida, com base no que traz de melhor, ou seja, o espírito adolescente, juvenil, de moleques jogando bola. E mais um garoto se apresenta na Vila Belmiro amanhã: Zezinho, do Juventude, chega emprestado por dois anos. É mais uma promessa que pode ser cumprida no Santos. O coração santista estava esparramado pelo inferno. Agora, não está mais.

São Paulo 1 X Santos FC 2

Gols: Neymar, aos 38min do 1º tempo. Roger, aos 22min e Robinho, aos 40min do 2º tempo
Cartões Amarelos: Xandão, Hernanes e Miranda (São Paulo). Edu Dracena, Wesley e Zé Eduardo (Santos)
Árbitro: Marcelo Rogério
Auxiliares: Vicente Romano Neto e David Botelho Barbosa
Local: Estádio Arena Barueri
Público: 14.519 pagantes

 

  • 133_Nirvana - Smells Like Teen Spirit.play

07/02/2010