<<< mais recentes

)Contos(

59 minutos

Acordou antes do despertador, como se tivesse cravado no cérebro: cinco e meia. Não precisou conferir, nem recordar a sequência: abrir a janela com a ponta dos dedos, usando a palma da mão para abafar ruídos, sabendo que ao erguer a vidraça sentiria a madeira subindo, subindo no mesmo trilho há anos, deslizando resignada; depois apoiaria os cotovelos em cima do batente branco esfolado. No quarto escuro e ainda frio, o silêncio cortado por um suspiro gordo e paciente, porque agora era hora de...

Leia mais...

)Cinema(

50 anos depois daquele beijo

Thomas (David Hemmings) é um fotógrafo de moda e na moda. É arrogante, tem tudo que quer e, em Blow-up – depois daquele beijo (1966), de Michelangelo Antonioni, vai aprender uma lição. Profunda. É uma alegria para os olhos o que se vê neste filme. O espectador, após poucos minutos de exibição, tem certeza de que está diante de um dos grandes filmes do cinema. Um dos melhores, mesmo que tenha ficado fora da seleção dos 100 melhores filmes, da revista Bravo (R.I.P.), e dos 501 filmes que...

Leia mais...

)Contos(

Picadeiro de urina

Tem gente que nasce pra fazer o som e gente que nasce pra ouvir. Eu me contento em ouvir. Embora já tenha feito. Faz tempo, na época em que eu tinha uma camiseta igual a do Kurt Cobain na foto de uma revista com a letra traduzida de Territorial Pissings. Quase ninguém se ligava na ilustre sósia que virou o meu uniforme, mas eu não apenas a vestia, eu a carregava feito um patuá. Um rolê com ela e eu já não pertencia mais ao mundo ordinário. Quer dizer, eu continuava nele, mas com o encanto de...

Leia mais...

)Livros(

Nirvana literário

Inspirado nos 25 anos de lançamento do álbum Nevermind, do Nirvana, o livro Cobain traz, como revela o subtítulo, "25 contos inspirados em 25 anos do álbum Nevermind + bonus tracks". Organizado por Sérgio Tavares, vem a público em E-book, fazendo homenagem à famosa banda cujo líder, Kurt Kobain, acabou por se tornar uma lenda no mundo do rock. Cada conto é antecedido do título de uma letra do grupo, servindo de motivo ou inspiração para a narrativa a seguir. Não sou especialista em música...

Leia mais...

)Sarau(

corpos que tombam

Sem-abrigo I O vento corta a madrugada como navalha ao olho (um chien andalou). A cachaça acorda a serpente em bote nas trevas do ventre farto dos artifícios da urbe (se reluz à noite é pedra ou ponta de faca) tropeça a fruta podre nem sente o peso do corpo piloto automático que tomba Qual vazio seu olhar desfocado afaimado absorto sôfrego ...

Leia mais...

)Contos(

Guilhotina

Ele se sentiu como se a cabeça tivesse sido separada do corpo, apenas isso, ou isso. A impressão era de uma experiência única! De que nunca havia passado por isso antes, imaginava que não. A cabeça, em uma cama, uma bicama, sofá-cama ou coisa do tipo, estava encostada em um travesseiro e procurava com os olhos (que pareciam alegres e saltitantes), na beirada dos buracos das ventas, a outra parte do corpo que estava estirado no chão. Guilhotina, pensou. Guilhotina, guilhotina, guilhotina...

Leia mais...
<<< mais recentes

Este sítio, Tertúlia, nasceu de um fanzine. De 1993 a 1997 foram apenas seis números. Fanzine é uma revista que você mesmo faz, com tesoura, cola e uma ideia na cabeça. "Xerox e revolução", disse Marcel Plasse nos anos 90. Tertúlia agora está on-line. Seja bem-vind@. Música, cinema, literatura, entrevistas, futebol (Santos Futebol Clube), um pouco de meu trabalho (work in progress) e de tudo um pouco (gastronomia, cidades etc.). Coisas para relembrar: nunca tive talento para tocar guitarra (infelizmente) e sempre gostei de botes contra a corrente.
Renato Alessandro dos Santos
realess72@gmail.com

"Olá, este é o site do fanzine Tertúlia. Nos anos 1990, fazer fanzine era mais do que ter um blog ou um site. Era esperar pelo carteiro todo dia, quando e-mails ainda não faziam parte da vida; as cartas chegavam sem parar. Mesmo quando não havia carta alguma, o carteiro passava lá em casa. 'Não vai ficar triste, menino, mas hoje não tem carta', lamentava. 'Não há problema', eu dizia.'Amanhã chega mais'. E chegava. Cartas vinham de tudo quanto é parte do Brasil e fora daqui: Espanha, Cuba, EUA. O fanzine ia cada vez mais longe... LEIA MAIS...