<<< mais recentes

)Livros(

Os bigodes do senhor autor

Manuel Antônio de Almeida escreveu um único romance em seus curtos 30 anos de vida, e Memórias de um sargento de milícias é um livro ímpar do romantismo brasileiro: é tão diferente dos outros romances do período que poderia ser aquela solitária estrela que, na bandeira nacional, fica isolada de todas as outras. Enquanto no país sopravam os ventos ultrarromânticos, o livro, escrito por “um brasileiro” no formato dinâmico do folhetim, não recebeu do público o reconhecimento esperado, e imagino...

Leia mais...

)Livros(

Subversão e estranhamento

Na história da literatura são muitos os exemplos de que, aos verdadeiros poetas, não é possível a pátria. Todos eles vivem ou viveram num constante exílio. Daí a peregrinação de Camões, o pluralismo poético de Fernando Pessoa e o gauche drummondiano. Gonçalves Dias, ao elaborar sua famosa Canção do exílio, também não era estranho a exílios vividos fora e dentro de sua própria terra, sempre estrangeira quando se referia a sonhos, a angústias e a sentimentos à flor da pele. Apesar das palmeiras e

Leia mais...

)Livros(

Championship Vinyl - a pequena loja de discos

Se você é daqueles que julgam os livros pela capa, provavelmente, não leu Alta fidelidade, premiado romance dos anos 1990 de Nick Hornby. O problema da edição que tenho aqui é que ela traz a silhueta estilizada de dois CDs, além do título e do nome do autor, claro. Certo, mas e daí? Daí que quem lê o romance, cujo protagonista tem uma loja de discos de vinil, não vai encontrar CDs lá, mas discos, discos e mais discos. Então, por que os dois Compact Discs? Aquele era um momento de transição na...

Leia mais...

)Sarau(

"Retrovisor" - um poema de J. A. Castro

Moro na outra margem da cidade\ próximo às rodovias\ e dos trilhos abandonados\ da Estrada de Ferro São Paulo e Minas.\ Perdi o sono, Deus!\ e ouço os barulhos dos caminhões\ distantes.\ Antes mesmo de amanhecer já terei partido.\ É cedo ainda!\ Madrugada. Há neblina no lago.\ Pensando bem...\ pouca coisa mudou\ desde a tua época, pai...

Leia mais...

)Livros(

Meu "Sagarana"

Terminei de ler Sagarana faz dois anos. Foram semanas dedicadas às novelas - e, não, em sua maioria, contos, como lembra Paulo Rónai; também não foi - cada uma - nenhum bicho de sete cabeças. Nada disso. Pelo contrário; no meu caso, a cada semana, meus alunos leram uma estória (vai) de Sagarana e, para discuti-las com eles, fui lendo também, e, então, a peleja chegou ao fim. Peleja no bom sentido, porque Sagarana é um livro fantástico - e o sobrenatural também faz parte da obra; no caso, o...

Leia mais...

)Sarau(

2 poemas de George dos Santos Pacheco

O Oráculo Oh, grande Oráculo! Eterno e assaz efêmero, célebre, magnífico e imáculo. Revela-me, guru esplêndido! Prostro-me ingênuo e sorumbático, fitando-te com o rosto lívido: não tens alma, e isso é trágico, teu crédito, porém, é vívido. Ora, ora, Oráculo... Quem te elegeu, num gesto plácido, para declamar neste espetáculo, como se teu conselho fosse válido? Sendo verdade, partiria lépido, e ignorando o equívoco, defender-te-ia intrépido! (ainda que soasse frívolo) Oráculo dos oráculos! Se...

Leia mais...
<<< mais recentes

Este sítio, Tertúlia, nasceu de um fanzine. De 1993 a 1997 foram apenas seis números. Fanzine é uma revista que você mesmo faz, com tesoura, cola e uma ideia na cabeça. "Xerox e revolução", disse Marcel Plasse nos anos 90. Tertúlia agora está on-line. Seja bem-vind@. Música, cinema, literatura, entrevistas, futebol (Santos Futebol Clube), um pouco de meu trabalho (work in progress) e de tudo um pouco (gastronomia, cidades etc.). Coisas para relembrar: nunca tive talento para tocar guitarra (infelizmente) e sempre gostei de botes contra a corrente.
Renato Alessandro dos Santos
realess72@gmail.com

"Olá, este é o site do fanzine Tertúlia. Nos anos 1990, fazer fanzine era mais do que ter um blog ou um site. Era esperar pelo carteiro todo dia, quando e-mails ainda não faziam parte da vida; as cartas chegavam sem parar. Mesmo quando não havia carta alguma, o carteiro passava lá em casa. 'Não vai ficar triste, menino, mas hoje não tem carta', lamentava. 'Não há problema', eu dizia.'Amanhã chega mais'. E chegava. Cartas vinham de tudo quanto é parte do Brasil e fora daqui: Espanha, Cuba, EUA. O fanzine ia cada vez mais longe... LEIA MAIS...